Category archive: fazer o que é certo

Contra a crueldade!! Contra o Instituto Royal

Não tenho muitas palavras diante dos tantos absurdos mostrados esta semana, o pouco que pudemos ver é terrível, não posso nem imaginar o que acontece em lugares como este Instituto Royal. Me falta coragem para assistir os vídeos destes experimentos.

Nada pode justificar tamanha maldade.

Por outro lado tem sido emocionante ver tantas pessoas comprometidas e determinadas a colocar um fim nisto. Pessoas se manifestando, se unindo, tomando atitudes.
A nossa parte é assinar as petiçōes, divulgar, apoiar, dar forças e condiçōes financeiras para os ativistas e protetores, cada um da forma que puder.

Outro ponto importante nesta batalha:
Boicotar, esquecer, tirar de nossas vidas TODAS as marcas nacionais ou estrangeiras que utilizam experimentos com animais. PARAR de comprar.
Eu quero ver se as vendas despencarem se eles não irão procurar métodos alternativos bem rápido! Isto é uma arma poderosa.
Clique aqui para ver a lista completa das empresas que fazem testes em animais.

Vamos fazer a diferença e mudar estas situaçōes, juntos podemos muito mais!
Lutar por um país de alma limpa com leis totalmente a favor da vida!
E lembre-se: só vamos comprar de quem não comete crimes de crueldade.
Clique aqui para ver a lista das empresas brasileiras que não fazem testes em animais.
Clique aqui para ver a lista das empresas estrangeiras que não fazem testes em animais.

20131019-114609.jpg

Quando a covardia contra os animais terá um fim?

Estava escrevendo o post de hoje e a idéia era colocar os cliques incríveis da fotógrafa Carli Davidson que fez um ensaio com cães portadores de necessidades especiais, além de muitos outros ensaios.

Nisto vi duas notícias que cabem aqui pra pensarmos e não deixarmos passar estes absurdos:
O primeiro é a reportagem da revista VejaSP (é só clicar no link para ler a matéria inteira) mostrando vários casos de crueldade e agressão contra os animais. Foram feitas duas capas, uma com um cãozinho que passava fome e frio, acorrentado por seu próprio dono e a outra com um gatinho que foi tão espancado que perdeu um olhinho, ficou cego.

20130909-210036.jpg
A matéria fala de cães, gatos, cavalos, pássaros e até um macaquinho, todos vítimas das barbaridades cometidas por pessoas sem a menor noção. Pior ainda saber que estes crimes são julgados como crimes menores e que os CRIMINOSOS NUNCA são presos, o máximo a que são condenados é prestar serviço à comunidade, dar cestas básicas ou ração e fica tudo por isto mesmo.

E pensar que muitos destes cãezinhos especiais são hoje especiais porque sofreram tortura, abusos maus tratos, como diz o título da matéria, “covardia sem punição”.
É triste, muito triste!

A outra notícia é de uma criança que foi atacada e morta por cães de rua na Romênia o que gerou um protesto da população no último domingo em apoio à um plano para exterminar TODOS os cães de rua da capital do país, Bucareste. Leia a notícia aqui.

Lógico que não estamos falando da tristeza e da fatalidade de perder uma criança de quatro anos atacada por cachorros de rua, isto é terrível e sem reparação, mas matar todos os cães não vai trazê-la de volta e nem resolver o problema que é muito sério. Por que estes cães estão na rua? De quem é a responsabilidade? A culpa é dos cães que estão ali abandonados?
Eles dizem que a vida humana está acima dos animais, mas quem deixou estes animais abandonados à própria sorte? Não foram estes mesmos humanos que se dizem superiores à vida animal?

Isto não está acontecendo no nosso país, mas já tivemos situação semelhante em Santa Cruz do Arari, semelhante e até pior, (não sei se é possível achar melhor ou pior nestas situaçōes), mas mataram por dinheiro e a manifestação dos romenos é por revolta.

Não podemos ficar indiferentes e nos omitir, é preciso assinar, apoiar, divulgar.
Juntos podemos MUITO mais.

No projeto dogartbr, duas artistas quiseram representar estes dogs especiais, chamando a atenção das pessoas:

A Thaila Ayala, desde que foi convidada, queria mostrar a realidade dos cachorrinhos que são resgatados, como são encontrados machucados, com fome, com frio.
Este é o dogart da Thaila.

20130909-211349.jpg

E a Lele Siedschlag que fez uma linda dogart especial, a Vanilla, já com sua cadeira de rodas e vivendo feliz!

20130909-223813.jpg

A fotógrafa fica para o próximo post.

Crueldade nunca mais

Neste domingo, dia 18 de agosto, aconteceu a segunda manifestação Crueldade Nunca Mais.
O povo foi às ruas em mais de 200 cidades para pedir penas maiores e mais severas para crimes cometidos contra os animais.

O nosso projeto dog.art foi criado também com o objetivo de conscientização da importância da guarda e da responsabilidade que temos com os animais, sejam eles nossos ou não, pois existe uma quantidade absurda de animais abandonados, maltratados e contrabandeados.

Não podemos ficar indiferentes à situação. Sempre existe uma forma de ajudar.

Acreditamos que juntos podemos muito mais, que se nos unirmos com os mesmos objetivos terão que ouvir a nossa voz.
A nossa voz pela voz dos animais.
Falamos por eles, por amor a eles!

Precisamos da sua assinatura.
Entrem no site, assinem e por favor ajudem a divulgar:
www.crueldadenuncamais.com.br

20130819-011559.jpg

O escultor que perdeu contrato por matar um cachorro.

A justiça foi feita depois de mais de trinta anos.

O escultor Tom Otterness, que vive e trabalha no Brooklin, NY, perdeu um contrato com o metrô de São Francisco em 2011 por um crime que cometeu contra um dog há mais de trinta anos, crime pelo qual ele nunca foi processado.

Faz tempo vi as obras deste artista Tom Otterness no metrô de Nova York. Semana passada postei esta escultura no instagram(@dog.art.br).

20130707-233057.jpg

Quando fui pesquisar mais sobre o escultor para colocar aqui no blog, li as matérias sobre a perda do contrato em 2011.
Em 1977, ele adotou, atirou e matou um cachorrinho e mostrou isto em vídeo, um vídeo de arte?!!!
O vídeo se chama Shot Dog Film.

A comissão desistiu do contrato no valor de $750.000, talvez por pressão dos amantes de animais, sociedades protetoras e moradores que se colocaram totalmente contra o artista, que cometeu tamanha crueldade, desenvolver as 59 esculturas e ainda ser pago por fundos públicos.

O escultor pediu desculpas publicamente por fazer o filme, chamando-o de “um ato indefensável que estou profundamente arrependido”, “indesculpável”, ato cometido numa época de muita turbulência emocional.
“Thirty years ago when I was 25 years old, I made a film in which I shot a dog. It was an indefensible act that I am deeply sorry for. Many of us have experienced profound emotional turmoil and despair. Few have made the mistake I made. I hope people can find it in their hearts to forgive me — Tom Otterness.”

Discutiram a sinceridade do seu arrependimento e que a doação de 50% do que ele iria ganhar para os animais seria uma forma de demonstrar que seu arrependimento era verdadeiro.
Discutiram também que a arte dele colocada em locais públicos, como o metrô, seria um lembrete constante de que apesar do absurdo do seu ato, ele foi recompensado e não punido.

O fim NÃO pode nunca justificar os meios. Nem a ciência, nem a arte, nenhum manifesto ou experimento seja de que tipo for pode justificar a crueldade e a perda de uma vida pra isto.

Podemos, de certa forma, fazer um link entre este acontecimento com o momento que estamos vivendo, momento que queremos mudanças, que nossa voz seja ouvida, momento que queremos “fazer o certo”. Esta quebra de contrato com o escultor que assassinou o cãozinho nos mostra que é possível lutar pelo que acreditamos. Com a união e com a certeza do que queremos e do que não queremos, podemos mudar o rumo e acertar!!

Sobre a arte, podemos dizer que o talento não está diretamente ligado à bondade do artista, infelizmente. Temos outros consagrados por sua arte que se mostraram muito cruéis.

Quanto ao escultor, espero que o artista tenha se arrependido verdadeiramente, quem sou eu para julgar. E que ele ainda tenha oportunidade de mostrar na vida a sensibilidade e o talento que ele tem na arte!

20130708-020247.jpg

Menu